Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 25, 2009

PF destruiu 1,6 milhão de pés de maconha este ano

O Sertão de Pernambuco continua sendo grande foco de produção intensa de maconha. A PF em operação em dezesseis cidades entre as quais Salgueiro, Belém do São Francisco, Serra Telhada e Afogados da Ingazeira, destrui milhares de pés de maconha. O Sertão vem mostrando crescimento em seus indicadores de C.V.L.I. desde 2006 pelo menos, mas as práticas das polícias combatendo o tráfico pode reduzir tais indicadores. Contudo, os criminosos migram para outras práticas como roubos, assaltos e sequestros. Com o esfacelamento dos "negócios" ligados à maconha pode estimular o tráfico de crack. Em matéria publicada pelo JC de hoje: A Operação Catingueira fez quatro grandes investidas no Sertão, nos meses de fevereiro, maio, agosto e outubro. Com a destruição das lavouras, 549 toneladas da droga deixaram de ser comercializadas A Polícia Federal (PF) destruiu 413 mil pés de maconha, o equivalente a 137 toneladas, no Sertão de Pernambuco, durante os sete dias da quarta fase da Operação

50 ações da SDS-PE, 693 pessoas presas e greve da Polícia Civil

Este é o total de ações e pessoas presas no combate à criminalidade executada pela Secretaria de Defesa Social de Pernambuco nos últimos dois anos. Dezenas de mandatos de prisão emitidos pela Justiça e o foco na redução do crime organizado, grupos de extermínio e tráfico de uma forma geral. » COMBATE AO CRIME Polícia prende 54 pessoas em megaoperação Publicado em 29.10.2009 A SDS mobilizou 662 homens para capturar suspeitos de fazer parte de cinco quadrilhas de homicídios, tráfico e roubos. Entre eles, há quatro PMs Ontem a SDS-PE agiu novamente, abaixo matéria do JC de hoje ilustra a ação das polícias em conjunto em megaoperação. Observar a presença constante de agentes do estado nas quadrilhas de criminosos.A Operação Pernambuco pela Vida, considerada pela Secretaria de Defesa Social (SDS) a maior já realizada pelas Polícias Civil e Militar no Estado, reuniu 662 policiais e conseguiu prender 54 pessoas, entre elas quatro PMs. Também Foram cumpridos 47 mandados de busca e apreens

PF atrasa apuração sobre Temer, e STF reage

fsp 26 out 2009 Ministro Joaquim Barbosa cobra explicações da Procuradoria sobre diligências que foram ordenadas e não cumpridas Investigação poderia afetar inclusão de Temer, que nega irregularidades, na chapa de Dilma; a demora da PF pode levar à prescrição do caso ALAN GRIPP DA SUCURSAL DE BRASÍLIA O Supremo Tribunal Federal cobrou explicações da Procuradoria-Geral da República sobre a "demora excessiva" do inquérito que investiga o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), por suposto crime ambiental numa reserva ecológica em Goiás. Com potencial para criar embaraços à pretensão de Temer de ser vice na chapa de Dilma Rousseff à Presidência, o inquérito possui denúncias de que o congressista recorreu a grileiros para se apropriar de terras na Chapada dos Veadeiros. Temer nega as acusações. Em ofício, o ministro Joaquim Barbosa, relator do inquérito no Supremo, pede ao procurador-geral, Roberto Gurgel, que informe por que não foram cumpridas as dilig

I Encontro Sul-Americano de Estudos Estratégicos com presença de pesquisador do NICC-UFPE

Pesquisador pelo NICC-UFPE e professor da UNICAP, Professor Thales Castro participa do I Encontro Sul-Americano de Estudos Estratégicos a ser realizado entre os dias 10 e 13 de novembro deste ano na Escola Superior de Guerra do Rio de Janeiro. Castro apresentará trabalho resultado de publicação recente sua no Livro Estados Unidos, Política Externa e atuação na Política Internacional Contemporânea, organizado pelo Prof. Eugênio Diniz (PUC-MG) e editado pela ED. PUC-MINAS. Tudo sob os auspícios da Embaixada dos Estados Unidos. O capítulo que Thales Castro fora responsável intitula-se "Entre direito e política internacional: para formação teórica do semidireito internacional". Indispensável para aqueles interessados em Relações Internacionais, Ciência Política e Direito Internacional.

Leis da ditadura dificultam punir torturador

Artigo defende que Lei de Anistia, Lei de Segurança Nacional e Código Penal Militar prejudicam julgamento de violações a direitos humanos. Brasília, 21/10/2009 DAYANNE SOUSA da PrimaPagina Leis antigas comprometem o julgamento de crimes cometidos durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985), diz estudo do juiz federal Roberto Lima Santos e do promotor do Estado de São Paulo Vladimir Brega Filho. Os dois defendem que normas feitas durante a ditadura e válidas até hoje têm prejudicado a condenação de torturadores e agentes da repressão. O artigo foi publicado na primeira edição da Revista Anistia Política e Justiça de Transição , lançada pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. Os autores destacam legislações consideradas autoritárias que ainda sobrevivem: a Lei de Segurança Nacional, de 1983; o Código Penal Militar, de 1969, e até mesmo a Lei de Anistia, de 1979. Esta concede perdão a crimes políticos da época, mas também exime de culpa os crimes cometidos pelo Estado,

De Caruaru para o Brasil

Jornal do Commercio 25 outubro 2009 Jorge Zaverucha Entre 8 e 10 de outubro foi realizado, em Caruaru, o Seminário Nacional sobre Homicídios. Por que nesta cidade? Foi o modo encontrado para divulgar o excelente trabalho que vem sendo feito por Cirlene Rocha à frente da Penitenciária Plácido de Souza. Tudo começou quando a presidente do Rotary-Caruaru, Ivânia Porto, que é minha orientanda no mestrado profissional em gestão pública para o desenvolvimento do Nordeste da UFPE, sugeriu que conhecesse a mencionada unidade prisional. Segundo ela, algo de novo, em termos de gestão, estava ocorrendo. Aceitei o convite e em maio passado fui visitar o local. Qual não foi o meu encanto ao conhecer pessoalmente a diretora Cirlene Rocha e seu modo de gerir uma penitenciária construída para 100 pessoas e que abriga 800 apenados. Sem notícia de qualquer rebelião em sua gestão iniciada em 2002. São sete profícuos anos de gestão. De volta ao Recife, imediatamente contactei, no Rio de Janeiro, o prof