Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 29, 2016

Desigualdade e pobreza não explicam alta violência no Nordeste

José Maria P. da Nóbrega Júnior Especial para o UOL 03/06/2016 06h00 Desde a década de 1980, os homicídios no Nordeste crescem de forma linear e contínua, apesar da melhoria, que se acentuou desde o início da década passada, dos níveis de desigualdade de renda e de pobreza. Paradoxalmente e paralelamente à melhora de tais indicadores, a violência homicida mais do que dobrou. Ora, a região conhecida pelos seus desníveis sociais era menos violenta quando mais pobre e desigual. O que houve nos nove Estados do Nordeste brasileiro para que os indicadores de assassinatos saltassem de um pouco mais de 9 mil homicídios, em 2000, para mais de 21 mil, em 2013? Atualmente, a literatura da criminologia moderna mescla as teorias sociais do crime com as explicações baseadas nas teorias da "Escolha Racional" –em que o ato criminoso é entendido como uma questão de oportunidade e tende a crescer em locais de parca fiscalização coercitiva– e da "Janelas Quebradas" ­–que a