Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 4, 2015

A resposta de Medellín

Será possível retratar a cidade colombiana de Medellín, ex-capital do crime e do trafíco de drogas, sem realcar preconceitos e estereótipos? A resposta é simples: sim, basta visitá-la  hoje . Por Heitor e Silvia Reali, de Medellín   A resposta de Medellín Cenas urbanas de Medellín. Heitor e Silvia Reali Menos de dez anos atrás, uma política educacional eficaz transformou Medellín,  segunda  maior cidade da Colômbia, em exemplo de metrópole civilizada e moderna, promovendo a autoestima dos moradores e a segurança nas ruas. Nas décadas de 1980 e 1990, porém, o quadro era muito diferente e, para muitos medelinenses, o mais importante era abandonar a cidade. Reclusos sob o poder de narcotraficantes, de bandos guerrilheiros, de grupos paramilitares e de delinquentes que criaram um estado paralelo e impuseram suas leis, os moradores viam a opção de emigrar como a única luz no fim do túnel. Aqueles que se opunham à situação eram vítimas de sequestros, estup

Homicídios na PB crescem 200%, apesar de aumento do efetivo policial

Paraíba foi estado do Nordeste com maior aumento no efetivo policial. Segurança aponta investimento de R$ 202 milhões em 2014. 07/01/2015 11h43  - Atualizado em  07/01/2015 11h43 Homicídios na PB crescem 200%, apesar de aumento do efetivo policial Paraíba foi estado do Nordeste com maior aumento no efetivo policial. Segurança aponta investimento de R$ 202 milhões em 2014. Taiguara Rangel Do G1 PB FACEBOOK Em números absolutos, homicídios cresceram 79% em um período de 12 anos (Foto: Walter Paparazzo/G1)  O número de vítimas de crimes violentos na Paraíba cresceu 200%, mesmo sendo o estado do Nordeste que proporcionalmente mais investiu no aumento de seu efetivo policial. O desafio de enfrentar a violência se mostra bem mais complexo que o atual investimento na segurança pública, conforme o estudo inédito "Panorama dos homicídios no Nordeste brasileiro: dinâmica, nexos causais e o papel das instituições coercitivas", da Universid