Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 31, 2010

Diagnosticando a criminalidade homicida nas capitais brasileiras

José Maria Nóbrega Jr.* Diagnosticar as causas dos homicídios no Brasil. Analisar quais as principais variáveis que podem ser controladas para deter esse fenômeno social, já se mostra possível para as ciências sociais. Sabe-se que as principais vítimas da criminalidade homicida no Brasil é formada por jovens do sexo masculino. Mas, também, já é de conhecimento dos especialistas que boa parte dos adultos até os 39 anos vem sendo vitimada de forma crescente. Os homens são os mais alvejados. Já temos algumas respostas, e isso se mostra de grande relevância. Destaco que explicações baseadas na cultura da violência e na questão estrutural, ou seja, na desigualdade social e econômica e na pobreza, muitas das vezes não se sustentam ao teste empírico. Também ressalto que as políticas públicas em segurança baseadas em estudos sofisticados que prevêem as variáveis determinantes da criminalidade, mostram-se como decisivo para o controle da criminalidade homicida no Brasil. Aqui destaco as c

A democracia ameaçada

A América Latina assiste ao desmando autoritário com pseudo-governantes como Hugo Chavez e Rafael Correia, e quem paga por esse prejuízo à democracia são as liberdades civis e, sobretudo, a imprensa. A esquerda versus a imprensa Publicado em 31.01.2010 Sob a liderança de Hugo Chávez, presidentes esquerdistas da região avançam contra os meios de comunicação que se “atrevem” a lhes fazer oposição Marina De Russé Agência France Presse MONTEVIDÉU – Emissoras de televisão fechadas, imprensa oficial em expansão, leis para impedir que a mídia “minta”: liderados pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, dirigentes da esquerda radical na América Latina tentam regulamentar a imprensa, segundo denúncias de membros da oposição e de ONGs. Na Venezuela, a RCTV, acusada por Chávez de apoiar uma tentativa de golpe de Estado contra ele em 2002, teve o sinal suspenso no dia 24 de janeiro por não transmitir os longos e quase diários discursos em rede nacional pronunciados pelo presidente, como obri