Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 8, 2010

Polícias integradas na Várzea

Publicado em 14.08.2010, Jornal do Commercio A partir de segunda-feira, o 12º Batalhão da Polícia Militar e delegacias seccional, distrital e de plantão do bairro passam a funcionar no mesmo espaço O Governo do Estado deu, ontem, mais um passo na direção de um novo conceito de polícia. Com a inauguração da Área Integrada de Segurança (AIS) da Várzea, a segunda em dois meses, policiais civis e militares, responsáveis por um mesmo espaço territorial, trabalharão de maneira integrada em 100% do tempo. No mesmo espaço, vão funcionar a sede do 12º Batalhão da PM e as delegacias seccional, distrital e de plantão da Várzea. O prédio tem 2,4 mil metros quadrados e vai mobilizar 484 PMs e 92 civis. A cerimônia de inauguração da AIS também marcou a entrega de 98 novas viaturas que vão equipar as delegacias de polícia. Para o chefe de Polícia Civil, Manoel Carneiro, o grande diferencial dos prédios onde estão funcionando as AIS de Apipucos e da Várzea é que ambos foram projetados para ser ins

O custo oculto do governo Lula

Análise do primeiro debate das eleições 2010 em Pernambuco

Debate reafirma polarização, expõe disputa personalista entre Jarbas e Eduardo sem lançar luzes sobre o futuro POSTADO ÀS 01:52 EM 13 DE Agosto DE 2010 Blog de Jamildo (JC Online) O primeiro debate entre os candidatos ao governo do Estado na TV Clube, nesta noite de quinta-feira, decreta de fato o começo oficial da campanha de 2010. É verdade que, para quem acompanha o dia a dia dos candidatos por ofício, não houve maiores novidades. No entanto, o grande público deve ter ficado surpreso com o alto astral dos candidatos, o confronto de ideias e a demarcação de espaços políticos bastante claros. Em comparação ao primeiro embate nacional, o debate local foi mais quente. A temperatura estava tão alta, aliás, que os dois principais contendores, Jarbas e Eduardo, reclamaram em alto e bom som no último intervalo. “Vamos desligar este ar-condicionado que ninguém está aguentando não!”, criticou Jarbas, com sua peculiar ironia. “Apoiado”, emendou Eduardo, abanando os dois lados do paletó. A

Achismos e pesquisas

Por Adriano Oliveira - Cientista Político O “achismo” faz parte da cultura marqueteira brasileira. Políticos também usam do “achismo” para analisar a competição eleitoral. Achar algo não significa nada. Aliás, não diz nada. Vejam só: “Eu acho que o candidato X perde a eleição”. O que esta assertiva, tão comum nos ambientes político e publicitário, revela? Apesar de não revelar nada, atores insistem em achar. Mesmo diante de pesquisas, atores persistem em achar. Achar o quê? Achei o gato. Achei a régua. Achei os números. Achei quem vai ganhar a eleição. Não é adequado achar quem irá ganhar a eleição. Adequado é construir cenários para saber quem irá vencer a competição eleitoral. A construção de cenários depende de três ações fundamentais: 1) Análise de conjuntura; 2) Análise de pesquisa qualitativa; 3) Análise de pesquisa quantitativa. Estas três ações são interdependentes. Através delas, é possível construir cenários e prevê o resultado da disputa eleitoral. Analisar a conjuntura

Bombeiros vão reforçar ações de emergência

Publicado em 10.08.2010, Jornal do Commercio O atendimento pré-hospitalar a vítimas de violência no Grande Recife terá mais 414 profissionais, 20 ambulâncias, 10 motocicletas e um helicóptero A partir de hoje, o atendimento pré-hospitalar emergencial a vítimas de violência urbana na Região Metropolitana do Recife (RMR) vai contar com mais 414 profissionais, 20 ambulâncias, 10 motocicletas e um helicóptero. Na manhã de ontem, no Teatro Guararapes, em Olinda, Grande Recife, o Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco promoveu a solenidade de formatura dos soldados, todos concursados em 2006. Com isso, o governo do Estado espera diminuir em 30% o número de mortes em crimes violentos letais intencionais (CVLI) e em acidentes de trânsito. O serviço será complementar ao do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A nova turma de bombeiros é a maior formada no Estado. De acordo com o governador Eduardo Campos, a iniciativa faz parte do conjunto de ações previstas no Pacto pela Vida

Para sociólogo brasileiro, pressões externas pesam mais que demanda social

Para sociólogo brasileiro, pressões externas pesam mais que demanda social Os esforços para dar transparência ao Poder Judiciário resultam muito mais de pressões internacionais que de uma demanda real da sociedade brasileira. A conclusão é do sociólogo Eurico dos Santos e foi apresentada no primeiro dia da Conferência Mundial, promovida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pelo Instituto Banco Mundial. Segundo ele, a realidade institucional, “formalmente moderna”, ainda não afetou qualitativamente “o caráter opaco do Poder Judiciário perante a sociedade”. Professor da Universidade de Brasília (UnB) e consultor do Banco Mundial, Eurico dos Santos apresentou na conferência um estudo sobre “A condição atual de transparência, integridade judicial e prestação de contas do Poder Judiciário brasileiro”, para o qual entrevistou magistrados e outras pessoas ligadas à atividade judicial. De acordo com o sociólogo, é muito tímida a pressão da sociedade por informações sobre o Judiciário.