Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 29, 2017

ARMA DE FOGO E HOMICÍDIOS EM PERNAMBUCO

Correlação entre apreensão de armas de fogo ilegais e os homicídios em Pernambuco José Maria Nóbrega* Há na literatura sobre estudos da violência uma ala afirmando que quanto mais armas de fogo em circulação, mais mortes violentas intencionais. Outra ala, afirma justamente o contrário. Quem está certo? Afirmo. Nenhuma das duas alas. Há contextos sociais e políticos nos quais a política pública de apreensão de armas de fogo funciona e outra na qual ela não funciona. Arma de fogo ilegal é quando o portador da arma não registra a mesma conforme a lei. A lei vigente que regula o porte e a posse de arma de fogo no Brasil é altamente restritiva. Vai depender da capacidade produtiva da polícia o sucesso desta política pública de segurança. No caso de Pernambuco, houve forte correlação entre as apreensões de arma de fogo ilegal e o crescimento de mortes violentas intencionais (homicídios). Conforme a tabela abaixo se percebe que a produção policial na apreensão de arma de f

VIOLÊNCIA E DESIGUALDADE NO SERTÃO PARAIBANO

Desigualdade social e de renda, pobreza e a violência homicida no Sertão paraibano: analisando os indicadores socioeconômicos e seu impacto na violência em Patos José Maria P. da Nóbrega Júnior [1] A violência é um mal que atinge as populações latino-americanas de forma mais enfática. Nos últimos quinze anos, países como Honduras, Venezuela, El Salvador, Guatemala, México e Brasil viram os seus indicadores de homicídios, no mínimo, dobrarem. O Brasil é destaque na região concentrando mais de 12% dos homicídios do globo. No 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública foram computados mais de 61 mil assassinatos. A região nordeste foi responsável por mais de 40% dessas mortes violentas intencionais, com 24.825 óbitos por agressão. A Paraíba vem apresentando redução nesses indicadores desde 2012, o que é alvissareiro. Contudo, no Sertão do Estado a violência cresceu exponencialmente, mesmo com a redução na região metropolitana da Paraíba (NÓBREGA JR., 2016). Utilizando Pa