Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 26, 2011

Curso de Extensão em Gestão de Segurança Pública no CDSA, Sumé, PB

O Cotidiano da dor

GLÁUCIO SOARES IESP/UERJ Publicado em O Globo 25/06/2011 p. 7 Durante cinco dias, Neuza viveu o horror de não ter dinheiro para enterrar o filho, deixando o seu corpo no necrotério ou, como ela diz, na geladeira. Terminou recorrendo a uma figura abominável muito presente nas áreas pobres, o agiota. Seu filho, Raimundo, passara a maior parte da adolescência e da vida adulta bebendo cachaça barata. Ao morrer, era pele e osso. Cinco anos antes, Raimundo teve uma chance: Neuza era empregada doméstica e um amigo da patroa o levara a um gastroenterologista de renome. “Ou pára ou morre!”, concluiu o médico após a análise detalhada dos exames. A frase dura surtiu efeito e, durante um tempo, Raimundo parou. Mas “o sistema” no Brasil também é cruel: sem estudo, sem uma profissão, Raimundo não encaixava no mundo em que vivia. Voltou a beber. Tinha experiência como mecânico, mas alcoolismo não combina com emprego fixo. Não durava nos empregos. Acabou mendigando e vivendo da ajuda dos outros. Mai

ONU põe Brasil sob suspeita de tortura e vai enviar missão para inspecionar prisões

POSTADO ÀS 15:21 (blog de jamildo JC) EM 26 DE Junho DE 2011 A Organização das Nações Unidas (ONU) fará a maior inspeção internacional já realizada nas prisões brasileiras para avaliar denúncias sobre o uso da tortura no País. Segundo o Estadão, a missão recebeu evidências de ONGs e especialistas apontando para violações aos direitos humanos em centros de detenção provisória, prisões e nas unidades que cuidam de jovens infratores em vários Estados. Não é a primeira vez que a tortura no Brasil é alvo de investigação na ONU e a missão promete ser dura com as autoridades. Os locais de visita estão sendo mantidas em sigilo para que o grupo de inspetores faça visitas de surpresa aos lugares considerados críticos, impedindo que as autoridades “preparem” as prisões e “limpem” eventuais problemas. Também vai ser a primeira vez que a tortura será investigada em unidades para jovens - como a antiga Febem. A ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário, só foi informada de que a missão ocor