Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 25, 2011

Número de homicídios em SP cai 5,9% em novembro

26/12/2011 - 17h44 MARIANA DESIDÉRIO DE SÃO PAULO RAPHAEL SASSAKI COLABORAÇÃO PARA A FOLHA Atualizado às 21h01. O número de homicídios no Estado de São Paulo caiu em novembro deste ano, em comparação com novembro de 2010. No ano passado foram 376 casos, contra 354 neste ano --uma queda de 5,9%. A redução acontece após cinco meses de alta. Na comparação entre os períodos de janeiro a novembro, a queda no número de homicídios foi de 4% --foram 3.945 em 2010 e 3.789 em 2011. A redução dos homicídios é liderada pela capital paulista, que registrou 180 casos a menos de janeiro a novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado. Uma diminuição de 16,3%. Os dados oficiais da violência do Estado foram divulgados nesta segunda-feira pela SSP (Secretaria da Segurança Pública). Já o número de latrocínios (roubos seguidos de morte) no Estado subiu 15,6% nos primeiros 11 meses de 2011, em comparação com o mesmo período do ano passado --de janeiro a novembro de 2010 foram 231 caso

Semidemocracia brasileira: fragilidade de nossas instituições

Crise no CNJ reabre debate sobre falta de transparência na Justiça Publicidade UIRÁ MACHADO DE SÃO PAULO (Folha On Line: http://www1.folha.uol.com.br/poder/1025979-crise-no-cnj-reabre-debate-sobre-falta-de-transparencia-na-justica.shtml ) A crise que abalou a cúpula do Judiciário nesta semana trouxe novamente à tona a discussão sobre a transparência da Justiça brasileira. O debate foi deflagrado na segunda-feira, quando dois ministros do Supremo Tribunal Federal, em decisões provisórias, esvaziaram os poderes de investigação do Conselho Nacional de Justiça. As liminares atenderam a pedidos feitos por três associações de juízes. Elas afirmam que o CNJ atuava de forma inconstitucional. A polêmica é tão antiga quanto a própria criação do conselho, instalado em 2005 como órgão de controle externo do Poder Judiciário. Ex-secretário de Reforma do Judiciário, Sérgio Renault estava no cargo quando foi aprovada a criação do órgão. "O CNJ surgiu para investigar juízes de forma a