Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 10, 2011

RESPOSTA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA AO GOVERNO DE SÃO PAULO

OPINIÃO Palavra "inferno" acha tradução nos presídios MARCOS FUCHS VALÉRIA BALASSONI GARCIA ESPECIAL PARA A FOLHA Ao implodir a Casa de detenção do Carandiru em dezembro de 2002, o governo de São Paulo sinalizava uma intenção de apagar da memória da população aquele lugar, símbolo do tratamento degradante e cruel ao preso. Depois houve outra iniciativa bem recebida pela sociedade: retirar os presos das celas dos distritos policiais. O local destinado seria os novos CDPs (Centros de Detenção Provisória) da capital. Em 2009, como membros do Conselho da Comunidade de São Paulo, começamos a visitar essas unidades, dentre elas o CDP I de Pinheiros e o CDP da Vila Independência. A palavra inferno acha tradução nesses locais. Além da superlotação, não há assistência jurídica, odontológica e médica suficiente. A sensação é de estar adentrando em um campo de concentração. Cabe ao poder público o dever de adotar medidas urgentes, impedindo que a negligência e a tolerância re

RESPOSTA DO GOVERNO DE SÃO PAULO: MENOS CRIMES > MAIS PRISÕES

Da Folha de São Paulo, 16.07.2011 Polícia paulista tem prendido mais, afirma secretário Titular da Administração Penitenciária diz que resistência de municípios em receber cadeias barra ampliação de vagas Segundo ele, apesar da superpopulação, o "cadeião de Pinheiros" funciona dentro dos limites de segurança DE SÃO PAULO Para o secretário Lourival Gomes, da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária, a superpopulação carcerária é reflexo da atual política de segurança e da falta de colaboração de municípios que resistem em receber prisões. "Como as polícias Militar e Civil têm combatido mais os criminosos no Estado, é natural que mais pessoas sejam presas", afirma o secretário. "Se os índices da violência têm caído no Estado, a população carcerária aumenta. Além disso, enfrentamos resistências de várias prefeituras que se recusam a receber novos presídios. Mesmo assim, apesar de cheio, Pinheiros está sob controle", diz. Segundo ele, o com

SÃO PAULO: E O SISTEMA CARCERÁRIO?

Com 37 presos a mais ao dia, SP ganha novos Carandirus "Cadeião de Pinheiros" abriga hoje 5.200 detentos, quase três por vaga Desde fechamento da Casa de Detenção, em 2002, superlotação se agrava em unidades, inclusive no interior ANDRÉ CARAMANTE DE SÃO PAULO [Folha de São Paulo] Dados oficiais do governo mostram que, diariamente, cem pessoas deixam as prisões paulistas, enquanto outras 137 são encarceradas. O saldo de 37 presos a mais por dia não só vem agravando a superlotação das cadeias como já criou um "novo Carandiru" em São Paulo. Ele fica na zona oeste e divide a paisagem da marginal Pinheiros, uma das mais movimentadas da cidade, com prédios ultramodernos. O complexo penitenciário de Pinheiros, ou "cadeião de Pinheiros", como é conhecido, é formado por quatro CDPs (Centro de Detenção Provisória) onde deveriam ficar só detentos à espera de julgamento. Hoje, abriga 5.200 presos, muitos já condenados. As quatro unidades dispõem de só 2.05

PACTO PELA VIDA: AVANÇAR PARA NÃO ESTANCAR

Segurança pública Sileno Guedes acha que experiência das Unidades Pacificadoras do Rio de Janeiro pode ser usada contra violência em Pernambuco POSTADO ÀS 20:43 EM 12 DE Julho DE 2011 (Blog de Jamildo) A Secretaria de Articulação Social e Regional do Estado, através do secretário Sileno Guedes e comitiva, desembarca nesta terça-feira (12) no Rio de Janeiro, para visitar o trabalho desenvolvido pelas Unidades de Polícia Pacificadora do Rio de Janeiro, as UPPs, implantadas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio de Janeiro para recuperar territórios perdidos para o tráfico e levar a inclusão social à parcela mais carente da população. Hoje, cerca de 200 mil pessoas já são beneficiadas. A intenção da viagem é justamente conhecer esse modelo carioca que vem dando certo e promove a aproximação entre a população e a polícia. O objetivo do secretário Sileno Guedes é trazer ideias que possam ser adaptadas para a realidade pernambucana, dentro do novo formato do Governo Present

A VARIÁVEL ANOS DE ESTUDO IMPORTA!

Mais investimento em educação pode reduzir exposição de crianças à violência, diz vice-presidente de comissão da OAB POSTADO ÀS 07:52 EM 13 DE Julho DE 2011 (Blog de Jamildo) Da Agência Brasil Se o investimento em qualidade na educação brasileira fosse maior, o resultado seria menos crianças e adolescentes vivendo em situações de risco ou de violência. A opinião é do presidente da Fundação Criança de São Bernardo do Campo (SP), Ariel de Castro Alves, e vice-presidente da Comissão Nacional da Criança e do Adolescente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Segundo o advogado, nos últimos anos, houve um aumento do número de assassinatos de crianças e adolescentes no país. “Há cinco anos, 16 crianças e adolescentes eram assassinados por dia. Atualmente, com base no último Mapa da Violência, são 21.” Para Castro, é preciso investir cada vez mais na educação integral. “A criança e o adolescente deveriam cumprir um período na escola e, no contraturno, fazerem cursos de informática ou at

IX RAM: Culturas, Encontros e Desigualdades

Tem início a IX Reunião de Antropologia do Mercosul. Está sendo realizada na Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, dos dias 10 a 13 de julho. Com 39 mesas redondas e 69 grupos de trabalho, o evento abrange pesquisadores, estudantes e profissionais de quase toda a América Latina. No grupo Grupo de Trabalho 68: "Violencia y procesos institucioneales de administracion de conflictos. Perspectivas comparadas" José Maria Nóbrega, Professor Adjunto I lotado no Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA), Campus de Sumé-PB, Unidade Acadêmica de Educação do Campo (UAEDUC). Pesquisador no Núcleo de Gestão Pública e Cidadania (CDSA/UFCG); Membro do Centro de Referência de Direitos Humanos (CDSA/UFCG); Pesquisador no Núcleo de Estudos de Instituições Coercitivas e da Criminalidade (NICC) da UFPE; Pesquisador do INCT-InEAC Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos da UFF. Apresentará paper intitulado:  Os homicídios no Nord