Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 13, 2009

Drogas e violência

Por José Maria Nóbrega Jr. – historiador e cientista político São cada vez mais freqüentes nas matérias dos jornais as apreensões de drogas executadas pelas polícias em Pernambuco. O crack, droga que leva a uma dependência exacerbada por parte de quem a consome, aparece em primeiro lugar no ranking dessas apreensões. O consumo desta droga vem destruindo lares, afastando pais de seus filhos, levando as pessoas ao mundo do crime e o pior, recrudescendo um mercado ilegal que leva muitas pessoas a serem assassinadas. Dados do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa de Pernambuco, DHPP, vem mostrando que muitos dos homicídios tem como causa o tráfico de drogas. Mais de 30% dos assassinatos ocorridos entre outubro de 2008 e maio de 2009 tiveram como motivação o tráfico de drogas, onde o crack potencializou esse tráfico. Isso mostra uma forte relação entre o tráfico de drogas e os assassinatos, ou seja, como um combustível para a violência em Pernambuco. Outra informação importante é

Homicídios em queda

Publicado em 17.12.2009 Editorial do Jornal do Commercio Pernambuco conquistou a marca inédita de 12 meses consecutivos com redução na taxa de homicídios, conforme mostramos em reportagem especial recentemente. Uma marca que deve ser saudada principalmente porque representa o resultado de uma política de segurança e ter uma política pública em qualquer setor é fator determinante para chegarmos a algum ponto, seja ao reconhecimento do fracasso e busca de novos caminhos, seja – como se dá agora – à constatação de que o trabalho vem dando bons frutos. A questão da segurança pública foi posta como prioridade durante a campanha que levou o neto de Miguel Arraes ao governo e continua sendo cobrada pela oposição, que reproduz o gesto simplista de todo agrupamento contrário – criticando posturas e resultados de que igualmente era vítima quando no poder. O fato, porém, de os números apontarem na direção contrária tira o argumento da crítica e nos leva ao reconhecimento de que é preciso acre

Ex-ministro defende um olhar objetivo para o próximo governo

Pedro Malan "A eleição de 2010 não pode se fazer em torno das pobres alternativas de ou voltar ao passado ou dar continuidade a Lula. A discussão precisa incorporar os horizontes do século 21 e a superação dos problemas que certamente restarão do seu governo." A pertinente observação é do ilustre ex-ministro Delfim Netto (Folha de S.Paulo, 11/11). Sobre o século 21, um respeitado historiador inglês, Hobsbawm, observou que este teria começado com cerca de uma década de antecedência: "o breve século 20" teria tido seu tardio início com a Grande Guerra de 1914 e terminado com os eventos do início dos anos 90. Tais eventos parecem dar razão a Hobsbawm: a queda do Muro de Berlim e a reunificação da Alemanha; o colapso da URSS e a fragmentação de sua vasta zona de influência em mais de duas dezenas de países; a emergência da China como potência regional e global, após mais de 12 anos de reformas e de integração com a economia mundial; o avanço do processo de integração

Rio contrata Rudolph Giuliani

» CRIMINALIDADE Publicado em 13.12.2009 Prefeito que “limpou” Nova Iorque na primeira metade dos anos 90 presta consultoria para Jogos Militares, Copa e Olimpíadas André Lachini Agência Estado SÃO PAULO – O ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, o homem que implantou a política da “tolerância zero”, enfrentou as cinco famílias da Cosa Nostra em Nova York e reduziu muito a criminalidade na metrópole norte-americana, prestará consultoria para o governo do Estado do Rio de Janeiro. A capital fluminense sediará os Jogos Mundiais Militares, em 2011, a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse na semana passada que contratará o escritório do ex-prefeito, o Giuliani Partners, para os serviços de consultoria em segurança pública. Giuliani afirma que, para ser um líder, uma pessoa precisa fazer cinco coisas: ler, escutar, debater, escrever e pensar. O ex-prefeito de Nova York esteve no Brasil, onde deu palestras sobre lidera