Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 13, 2014

Choque de gestão na segurança pública de Pernambuco

GOVERNO EDUARDO CAMPOS Choque de gestão na segurança pública de Pernambuco Principal programa de combate à violência, o Pacto pela Vida colocou Pernambuco na condição de único Estado do País a apresentar sete anos seguidos de redução no número de homicídios Publicado em 04/04/2014, às 06h00 Do JC Online Igo Bione/JC Imagem No gráfico que desenha o avanço da criminalidade no Brasil, Pernambuco segue uma trajetória contrária. É o único Estado da Federação a apresentar, nos últimos sete anos, uma redução contínua da taxa de homicídios. Para um Estado que já foi campeão de assassinatos, a atual posição é o maior trunfo do governador Eduardo Campos na área de segurança. O Pacto pela Vida, programa implantado em maio de 2007 com a missão de frear e reduzir a matança que ocorria em Pernambuco, fez mais do que salvar vidas. Mostrou que a violência não é um fenômeno natural, que acontece à revelia dos poderes constituídos. Ao levar para o ambiente da polícia um programa

Violência de ontem e de hoje

OLHANDO SALVADOR A CONTRAPELO Prof. Dr. José Luciano de Queiroz Aires (UFCG-ANPUH-PB) “Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie” (Walter Benjamin) Depois que li Walter Benjamin, aprendi a olhar o patrimônio cultural de modo completamente diferente. Ruiu aquele edifício conceitual prévio que associava patrimônio a apenas símbolos antigos, tangíveis e pertencentes às elites, sobre os quais paramos para sermos fotografados, dada a concepção de beleza estética sobre eles imaginados. Olhamos as igrejas barrocas e os sobrados coloniais e, imediatamente, eis que surge a pergunta: “como os portugueses conseguiram construir tudo isso naquela época?”. O filósofo alemão, certamente, reorientaria o questionamento. Para Benjamin, a origem dos bens culturais não pode ser refletida sem o olhar do horror, pois suas criações “devem sua existência não somente ao esforço dos grandes gênios que os criaram, como à corveia anônima dos seus contemporân