Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 14, 2020

Os extremos se beijam

Estamos no meio de vários movimentos e manifestações no Brasil nas últimas semanas. Movimentos de apoio ao presidente e outros contrários a ele. Nada mais normal em uma democracia. Faz parte do ritual democrático a participação popular, seja defendendo o governo, seja o criticando. No entanto, não é afeito à democracia movimentos extremistas. Percebemos nessas manifestações, de um lado grupos pedindo intervenção militar, do outro grupos defendendo a ditadura do proletariado. O primeiro grupo é um exemplo de extrema direita, o segundo, de extrema esquerda. O que ambos têm em comum? Os dois defendem regimes autoritários! Os extremos se beijam! Em democracias, esses grupos infiltrados nas manifestações são efeitos colaterais. Presenciamos em países europeus grupos de neonazistas que, inclusive, terminam por formatar partidos políticos e disputarem eleições. Aqui, no Brasil, temos os partidos radicais de esquerda, que pregam a revolução socialista que defendem a ditadura do pro

“Também morre quem atira”

Estamos, mais uma vez, no meio de uma grande polêmica: o racismo em nossa sociedade. Apesar de um tema já bastante batido, nas últimas semanas está na ordem do dia por dois episódios: a morte do negro George Floyd nas mãos de um criminoso travestido de policial; e a morte do menino Miguel lá nas torres gêmeas, em um incidente fatal, aqui no Recife, uma construção que sempre foi controversa. Ambos os episódios são cheios de simbologias: patrimonialismo, escravidão, desigualdade, pobreza, corrupção e outros conceitos vem à tona. Mas, neste espaço vou falar da questão racial de forma fria, mais racional, com números e com arte. A começar destacando que a raça é uma questão complexa, que merece atenção especial devido ao seu caráter étnico. Contudo, não vamos seguir esse caminho tortuoso, até porque se fala muito de raça negra e nada de raça branca, parecendo a primeira estar dentro de um conceito biológico especial e a segunda não ter o mesmo tratamento. Para mim, só existe uma