Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 24, 2016

A Democracia brasileira: história recente

Por José Maria Pereira da Nóbrega Júnior –Professor de Ciência Política da Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, Brasil. ·          Redemocratização e a questão da consolidação democrática A transição da ditadura militar para a democracia se deu sob a tutela das Forças Armadas brasileiras. Zaverucha (1994), em estudo comparativo, demonstrou que a tutela amistosa civil/militar institucionalizou um tipo de regime político no qual muitas das prerrogativas militares foram mantidas mesmo após o processo transitório. Na constituinte de 1987 os atores políticos pró-militares agiram como veto players na condução de uma constituição menos ligada ao aparato militar do regime anterior. O resultado foi a manutenção de dispositivos formais na Constituição Federal de 1988 que mantivera nas Forças Armadas prerrogativas políticas na garantia da lei e da ordem internas (Zaverucha, 1994 e 2000). O processo de redemocratização também veio com fortes complicadores do ponto

Democracia insatisfatória

José Roberto Toledo 21 Abril 2016 | 04h 05 A insatisfação com a democracia nunca foi tão grande no Brasil – pelo menos desde 2008, quando o Ibope começou a medi-la. Pesquisa inédita do instituto e publicada com exclusividade pela coluna mostra que 49% dos brasileiros se dizem “nada satisfeitos” com o funcionamento da democracia no Brasil. Somam-se a eles outros 34% que se dizem “pouco satisfeitos”.  Só 14% afirmaram ao Ibope estar “satisfeitos” (12%) ou “muito satisfeitos” (2%) com o regime democrático. O resto não quis ou não soube responder. O recorde negativo anterior era de 2015, com 45% de “nada satisfeitos”. Os 49% de insatisfação atuais com a democracia são especialmente altos quando comparados aos 13% de 2010 ou mesmo aos 22% de 2014. A pesquisa foi feita entre os dias 14 e 18 de abril. A insatisfação é maior no Sudeste (52%), entre quem completou só o ensino Fundamental (58%), nas cidades de médio porte (55%), nas periferias das metrópoles (52%) e entre evangé