Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 25, 2014

MAPA DA VIOLÊNCIA 2014: ENDEMIA HOMICIDA NO BRASIL

Mapa da violência 2014: taxa de homicídios é a maior desde 1980 Número de assassinatos cresceu 7,9% no país entre 2011 e 2012 Enviar Imprimir DEMETRIO WEBER E ODILON RIOS  ( EMAIL · FACEBOOK · TWITTER ) Publicado: 27/05/14 -  0h01 BRASÍLIA E ALAGOAS - O Brasil registrou em 2012 o maior número absoluto de assassinatos e a taxa mais alta de homicídios desde 1980. Nada menos do que 56.337 pessoas foram mortas naquele ano, num acréscimo de 7,9% frente a 2011. A taxa de homicídios, que leva em conta o crescimento da população, também aumentou 7%, totalizando 29 vítimas fatais para cada 100 mil habitantes. É o que revela a mais nova versão do Mapa da Violência, que será lançada nas próximas semanas com dados que vão até 2012. O levantamento é baseado no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, que tem como fonte os atestados de óbito emitidos em todo o país. O autor do mapa, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, diz que o sist

Extrema pobreza e violência na Paraíba: relação inversa

Por José Maria Nóbrega – cientista político e professor da UFCG. Parte considerável da literatura das ciências sociais que estuda a violência como fenômeno social é praticamente unânime quanto à relação entre pobreza e violência. Os mais pobres são as vítimas principais da criminalidade, como também são os mais vulneráveis perante as instituições coercitivas. Existe muita comprovação empírica para esta tese, mas o que dizer da relação entre a situação de pobreza – medida pelo indicador de extrema pobreza [1] – com os níveis de violência – medidos pelos homicídios? O teste empírico mostra, muitas das vezes, uma intrigante relação inversa, ou seja, menos pobreza (ou menos pobres) e mais violência. Foi o que ocorreu na Paraíba. Vejamos o teste empírico. Num simples cruzamento de dados numa série histórica de nove anos, de 2001 a 2009, utilizando os dados do IBGE no que se refere as estimativas populacionais e aos indicadores de extrema pobreza – este indicador em específico f