Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 4, 2009

Seminário sobre homicídios em Caruaru 2a parte

Em 09.10.09 os pesquisadores e autoridades presentes ao 1o Seminário sobre Homicídios do Brasil tiveram a oportunidade de visitar a Penitenciária Juiz Plácido de Souza, um exemplo do que se pode fazer com poucos recursos quando se tem vontade. Dra. Cirlene Costa, diretora da instituição, é responsável, juntamente com o Cel. Vitório, por uma transformação social dentro de um estabelecimento penitenciário. Num espaço de 98 vagas há mais de oitocentos detentos, e lá todos tem o que fazer. A ocupação e a valorização pregados pelos administradores da unidade prisional é um exemplo que serve como modelo para outros presídios e cadeias públicas. Os presos tem atividades de todas as formas: trabalham, estudam, praticam arte e recebem pelo trabalho executado. De laboratório de informática até uma rádio comunitária, a presença de um verdadeiro espaço de produção e ocupação valorizando a habilidade de cada reeducando faz da perspectiva ressocializadora a melhor alternativa possível. Segurança

Seminário sobre homicídios em Caruaru

O seminário sobre homicidios em Caruaru está sendo realizado neste momento. O professor Gláucio Soares analisa os dados de homicídios no Brasil. Os trabalhos apresentados pela manhã levantou debate importante sobre a criminalidade violenta no Brasil. José Maria Nóbrega apresentou paper sobre os homicídios na região Nordeste com destaque para Pernambuco. Salientou que os dados do SIM diferem dos dados da SDS e que precisam ser melhor discutidos a nível metodológico. Letícia Schabbach, socióloga pela Universidade de Santa Cruz do Sul-RS, apresentou os dados de homicídios na região Sul, mostrando que, apesar dos números serem os menores em relação as outras regiões, há crescimento dessas mortes violentas nos últimos cinco anos. Renato Dirk, estudioso do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, apresentou os dados da polícia civil do Rio de Janeiro em relação aos homicídios e as tentativas de homicídios, onde a soma dessas duas variáveis impressiona, podendo chegar a um númer

A contradição nordestina

Publicado em 06.10.2009 (Opinião no Jornal do Commercio) José Maria Nóbrega Jr. http://josemarianobrega.blogspot.com/ O Nordeste melhorou indiscutivelmente os seus indicadores de Gini, renda domiciliar per capita, domicílios pobres e outros (Nóbrega Jr, 2009: 252-254). A região foi impulsionada por uma tendência nacional, aonde desde 2001 a desigualdade de renda vem declinando substancialmente em todo o País (Prado, 2006). As políticas de redistribuição de renda do governo, como as pensões e as aposentadorias, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o Programa Bolsa-Família (PBF), foram fundamentais para a queda da desigualdade e a melhoria na condição de vida das pessoas (Barros et ali, 2006). Nos últimos dez anos a economia do Nordeste cresceu duas vezes mais rápido que a nacional, a renda local disparou, e o governo investiu mais em planos sociais nesta região que em qualquer outra (Coutinho, 2009: 73). Mesmo assim, o Nordeste vem apresentando crescimento constante de mortes

Estado tem redução inédita de homicídios

Publicado em 03.10.2009 Queda do número de assassinatos chegou a 22,34% na comparação entre os primeiros nove meses deste ano e o mesmo período de 2008 Nos nove primeiros meses desse ano, o governo do Estado registrou uma redução inédita no número de homicídios em Pernambuco. De janeiro a setembro foram 871 assassinatos a menos se comparado com o mesmo período do ano passado. Uma diminuição de 22,34%. Isso significa que pela primeira vez desde que o Pacto pela Vida entrou em vigor, em maio de 2007, o Estado pode terminar um ano alcançando a meta de 12% de redução dos chamados crimes violentos letais intencionais (CVLI). De janeiro a setembro de 2008, o governo registrou 3.898 assassinatos. No mesmo período deste ano, a quantidade ficou em 3.027. Antes de 2009 acabar, no entanto, esse já pode ser considerado o melhor resultado no combate aos homicídios desde 2003, quando uma nova metodologia de contagem de CVLIs começou a ser implantada. Dados da Secretaria de Defesa Social (SDS) tamb