Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 3, 2021

Mais armas de fogo, menos mortes violentas intencionais

  Mais armas de fogo, menos mortes violentas intencionais Por José Maria Nóbrega Jr., cientista político No Brasil, houve crescimento de 55,7% no número de registros de novas armas de fogo entre 2017 e 2018. Foram 244.787 novas armas de fogo que entraram em circulação no país, uma média de 122.394 novas armas de fogo ao ano. Já as mortes violentas intencionais (mvis) – que é a soma dos homicídios dolosos, das agressões seguidas de morte da vítima, latrocínios, mortes decorrentes de intervenção policial e mortes de policiais em serviços e fora de serviço – apresentou redução de -10,2% período, em 2017 foram 63.880, e em 2018 foram 57.341 mvis. Ou seja, tivemos mais armas de fogo registradas legalmente com menos violência.   Gráfico 1. Certificados de Registro de Arma de Fogo (CRAF) Novos no SIGMA [1] – 2017/2018 Fonte: Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2019). FBSP. Em todos os estados nordestinos, houve incremento no registro de novas armas de fogo, com destaque

A agenda identitária é antidemocrática

  A agenda identitária é antidemocrática Por José Maria Nóbrega – cientista político A primeira coisa que um analista político deve fazer ao analisar um fenômeno político ou social é defini-lo. O regime político democrático é um conceito complexo, mas que pode ser definido minimamente. Concordo com Giovani Sartori (1976. Parties and Party Systems: a framework for analysis. New York, Cambridge University Press ) quanto a definição mínima de qualquer conceito nas Ciências, em específico na Ciência Política. Para Sartori, uma definição é mínima quando todas as propriedades de um ser que não são indispensáveis para sua definição, são apresentadas apenas como hipóteses, mas não como características essenciais. Isso quer dizer que tudo o que ultrapassar uma caracterização mínima, ou não essencial, não deve constar na definição. Como foi abordado por Scott Mainwaring e seus colaboradores (2001. MAINWARING, S.; BRINKS, D; LIÑÁN, A. P. Classificando Regimes Políticos na América Latina,