Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 4, 2011

A Segurança Pública como controle da violência homicida

Artigo publicado na Revista Prima Facie da UFPB (Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas) A Segurança Pública como controle da violência homicida http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/primafacie/index RESUMO: A Segurança Pública aparece como ramo específico das políticas públicas. O Estado deve garantir a segurança dos indivíduos como sendo o reflexo constitucional da consolidação dos direitos civis e humanos, fundamento da democracia contemporânea. Uma grave crise de segurança implica numa crise de democracia. A literatura nacional das ciências sociais que trata da segurança, da violência e da criminalidade aponta para a importância das gestões dos governos como variável importante para o controle social e, por sua vez, para a garantia do direito individual à propriedade. Não obstante existir outras variáveis importantes – como as macrovariatas socioeconômicas –, a sofisticação das políticas públicas em segurança em diversos contextos reduz a insegurança social e eco

Violência se espalha rapidamente pelo Litoral Sul

Povoação e explosão econômica da região provocam mazelas comuns nas cidades grandes Publicado em 03/12/2011, às 20h26 (Jornal do Commercio-PE) Bruno Albertim De um lado, a Reserva do Paiva, um eldorado litorâneo onde o aluguel de uma casa de cinco quartos, 800 metros quadrados, pode custar R$ 30 mil por mês. Na outra extremidade, o Complexo Industrial Portuário de Suape, símbolo da decantada redenção econômica que pode, numa perspectiva cheia do otimismo provocado pelo assunto, tornar o PIB pernambucano equivalente ao de todo o Nordeste em duas décadas. Entre o luxo e o porto, há um conjunto de praias onde quintais viram cortiços, invasões ocupam matas, favelização e águas cristalinas são tão comuns como a violência típica dos subúrbios do Recife. Assaltos e homicídios constantes como coqueiros. Agora, no Cabo de Santo Agostinho, o terror tem vista para o mar. “Nunca mais volto numa destas praias”, diz o montador Marcelo Alexandre da Silva, 40 anos. No dia 23 de outubro, o funcioná