Pular para o conteúdo principal

Criminalidade homicida na Paraíba 2004/2014

Vivendo na Paraíba há seis anos passei a entender melhor a sua geo-política e geografia. Como estudioso da criminalidade, da violência e das instituições políticas coercitivas, produzi vários trabalhos - sozinho e em parceria - sobre a dinâmica da violência no referido estado, analisando sobretudo a capacidade, ou não, do Estado na contenção da violência homicida. Nessa perspectiva, analisarei, numa série histórica de dez anos, os dados de homicídios (mortes por agressão no SIM/DATASUS) em números absolutos de algumas microrregiões importantes da Paraíba. Também é importante destacar que o Governo implementou uma política pública específica na área setorial da Segurança Pública a partir de 2011 com o intuito de arrefecer os indicadores de homicídios no estado. A exposição partirá de uma análise dos dados e numa tentativa de avaliar a policy desenvolvida entre 2011 (quando do implemento desta) e 2014 (final do Governo que implementou a policy). Outrossim, os dados do banco de dados escolhido para a análise tem em 2014 o seu último ano consolidado.

Tabela 1.  Municípios e suas principais microrregiões - Homicídios 2004 a 2014

Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Bayeux, Cabedelo e João Pessoa representam os dados da Região Metropolitana; Cajazeiras e Sousa representam o Sertão; Monteiro representa o Cariri paraibano; Campina Grande e Guarabira, o Agreste. Há uma distribuição razoável do ponto de vista geográfico e estes municípios representam as maiores populações dessas microrregiões. 

Os dados agregados computaram 7.354 assassinatos em dez anos (somatório 2004/2014), com destaque as duas maiores cidades do estado, João Pessoa (Capital) e Campina Grande. Já a distribuição desses dados não é uniforme.

Gráficos 01 e 02. Homicídios Absolutos distribuição no Sertão (2004/2014)


Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Observa-se a dispersão dos dados nos gráficos acima. Em Sousa os dados são mais uniformes com dois out-siders em 2007 e 2011 (pico do período). Entre 2004 e 2014 foram 193 assassinatos nos representantes do Sertão. Cajazeiras apresentou dado de crescimento contínuo com uma correlação maior entre a série histórica e o crescimento dos homicídios. O implemento da política pública de segurança em 2011 pouco afetou a criminalidade homicida em Sousa e teve correlação inversa em Cajazeiras, que apresentou crescimento exponencial dos assassinatos no período pós-política.

Gráfico 03. Homicídios Absolutos distribuição no Agreste (Campina Grande como proxy) (2004/2014)
Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Observando os dados em Campina Grande, proxy escolhido para o Agreste paraibano, vimos que os dados são explosivos até 2010. Entre 2010 e 2012 há uma queda, com pico em 2013 e nova queda em 2014. No período da aplicação da policy houve uma tendência de arrefecimento aos anos consecutivos de crescimento. Entre 2004 e 2014 foram 1.650 pessoas assinadas na cidade. Campina Grande tem uma população de, em média, 400 mil habitantes, teve em 2014 174 assassinatos o que resultou numa taxa por cem mil habitantes de 43,5 óbitos por agressão, ou quatro vezes o tolerável.


Gráfico 04. Homicídios Absolutos distribuição no Cariri paraibano (Monteiro como proxy) (2004/2014)



Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM


Observando Monteiro como representante do Cariri, vimos que os dados de homicídios explodiram pós-policy. Entre 2011 e 2014 o crescimento percentual de criminalidade homicida foi de 71%. Os dados na série histórica toda apresentam-se oscilantes nos primeiros anos, mas a partir de 2010 a correlação é positiva com a série histórica. O programa do governo para o controle da criminalidade homicida não funcionou no Cariri (pelo o menos até 2014).

Gráficos 05, 06 e 07. Homicídios Absolutos distribuição na Região Metropolitana (João Pessoa, Bayeux e Cabedelo) (2004/2014)



Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Em relação aos dados de homicídios na Região Metropolitana de João Pessoa, os dados apontam para uma correlação negativa forte entre o implemento da policy e a redução da criminalidade medida pelos homicídios entre 2011 e 2014. O destaque vai para Cabedelo que, entre 2011 e 2014 teve 69,6% de redução nos números absolutos de homicídios. Bayeux e João Pessoa também apresentaram redução depois de anos consecutivos de crescimento (-20% e -21% respectivamente).

Gráfico 08. Homicídios Absolutos distribuição nos oito municípios (nas regiões) agregados (2004/2014)

Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Os dados agregados para os oito municípios em tela demonstram queda das mortes por agressão a partir de 2011, depois de anos consecutivos de crescimento. Para o gestor da pasta da Segurança Pública, é um dado importante e aponta para o sucesso da política. Mas, como vimos na análise aqui empreendida, o comportamento dos dados nos diz que a policy foi bem-sucedida apenas na Região Metropolitana (onde está concentrada a maior parte dos assassinatos e, também, dos eleitores). A média geral de redução foi de -19%. Contudo, o Cariri paraibano, o Agreste e, sobretudo o Sertão, viram a criminalidade homicida sair ainda mais do controle justamente no período do implemento da policy.

Comentários

  1. Um estudo excelente ! Parabéns professor José Maria.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Marielle e os homicídios

Cientista Político José Maria Nóbrega

A última semana foi muito difícil. O caso do assassinato brutal da vereadora pelo PSOL do Rio, Marielle Franco, fez entrar em erupção uma série de postagens nas redes sociais, de todos os vieses ideológicos, algumas beirando a total falta de humanidade. Marielle era uma mulher interessante, engajada na causa pelos mais pobres e excluídos das favelas do Rio de Janeiro, lutava contra a violência estatal. A investigação está em curso e muito se especula sobre o assunto. Mas, quantas mulheres são assassinadas por ano no país? Qual o perfil estatístico da vítima de homicídio? Quais as causas da violência homicida? Isso, ninguém parece querer saber. No último ano disponível nos dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2017), foram 4.657 mulheres assassinadas no país, o que equivale a 7,5% dos mais de 61 mil homicídios, em 2016. O perfil estatístico da vítima de homicídio no Brasil é jovem, do sexo masculino, tem entre 15 e 39 anos de idade, baixo…

As Instituições Coercitivas e o Controle Social

José Wilas Pereira - Graduando em Gestão Pública pela Universidade Federal de Campina Grande e, bolsista PIBIC. Aluno do Curso de Extensão em Gestão em Segurança Pública (CRDH/CDSA/UFCG).



RESUMO

A qualidade dos bens e serviços prestados pelo Estado a sociedade depende decisivamente da eficiência e eficácia das instituições estatais. Na área da segurança pública por sua vez, as políticas são de responsabilidade das instituições coercitivas, que estão incumbidas de manter a ordem pública através do estrito cumprimento da lei. Não obstante, a ineficiência institucional visualizada por meio dos altos níveis de criminalidade violenta existentes em algumas sociedades, prejudica a existência de um Estado Democrático de Direito, desaguando para uma Democracia defeituosa ou semidemocracia. Contudo o desempenho das instituições coercitivas aliado a um modelo de gestão que proporcione accountability institucional torna-se fator determinante para a qualidade da segurança pública e, por isso a manut…

Por um individualismo burguês

José Maria Nóbrega Jr – Doutor em Ciência Política pela UFPE e Professor Adjunto de Ciência Política da UFCG
Defender idéias, alocar recursos e força para a luta de grupos de interesses parece ser ponto nevrálgico de qualquer ideólogo. Quem está fora da luta, qualquer que seja a categoria social, é sempre taxado de “alienado”. O país vem atravessando uma série de reivindicações de diversas categorias do funcionalismo público, em sua maioria funcionários públicos federais. Movimentos aqui e acolá, uns mais radicais outros mais pacíficos, a “onda” de greves assola o solo brasileiro. Mas, e o direito daqueles que não querem participar?
Lendo artigo de um colega da UFRJ (http://revistaforum.com.br/blog/2012/07/a-greve-do-ensino-publico-e-as-engenharias/ ) espantou-me o teor de revolta do professor de engenharia para com seus colegas de instituição e seus alunos. Quer dizer que o indivíduo não pode não querer participar de um movimento paredista? Que o sujeito é obrigado a agir coletivamente…