Pular para o conteúdo principal

Genocídio




No Dicionário de Política de Norberto Bobbio, genocídio é definido como a destruição em massa de grupo étnico, como um projeto sistemático que tenha por objetivo eliminar um aspecto fundamental da cultura de um povo. Na ONU, em 1946, o genocídio foi definido como “a recusa do direito à existência de inteiros grupos humanos” e o transformou em um delito/crime que “o mundo civil condena” e quem o comete responde em um tribunal internacional.

Como se vê, não é um conceito trivial, mas é utilizado com frequência por muitas figuras públicas e por movimentos sociais de forma desconexa e, por que não dizer, irresponsável.

Esta semana começou com um infeliz exemplo desses. O membro do STF, Gilmar Mendes, conhecido por seu garantismo a muitos atores políticos envolvidos em crime de corrupção – que recorrentemente chama o presidente Bolsonaro de genocida -, dessa vez, numa live, afirmou que as Forças Armadas é parceira do chefe da nação no que ele chamou de “política genocida de saúde” no combate ao vírus chinês. Afirmou assim o juiz que tem o papel fundamental de fiscalizar a Constituição e de julgar o presidente da República por acusação de crime de responsabilidade: “o Exército se associa a genocídio”!

Movimentos sociais radicais também têm discurso parecido. Por exemplo, o MST, organização conhecida por constantes atos antidemocráticos, afirma também constantemente que “somos vítimas do maior genocídio da humanidade” quando falam de violência contra determinadas minorias, como os indígenas e os jovens da periferia.

Movimentos sociais negros também seguem a onda e usam o conceito “genocídio” quando fala da violência perpetrada nas periferias e que atingem, sobremaneira, os jovens pardos envolvidos no tráfico de drogas.

E por aí vai...

Explicando o equívoco semântico desse pessoal:

Nos três casos citados, não há fundamento teórico e muito menos empírico para as acusações. Até porque, se assim o fosse, algum órgão internacional já teria acusado o governo brasileiro desse tipo de crime.

Não se aplica o conceito, primeiro porque não há por parte das Forças Armadas um projeto sistemático de eliminação de grupos étnicos ou raciais; segundo, o presidente da República em nenhum momento atentou contra qualquer grupo étnico, racial, linguístico ou cultural, pelo contrário, se aproximou do povo que foi afetado pelo Holocausto, o Estado de Israel, ao povo judeu, este sim violentado e que motivou a criação do conceito de genocídio; terceiro, o MST erra também porque, primeiramente o grupo étnico/racial/cultural indígena é o grupo menos violentado/vitimado por violência (interpessoal ou estatal) entre os grupos étnicos catalogados nas categorias do IBGE. Utilizando os homicídios/mortes por agressão como exemplo, o grupo indígena corresponde a menos de 0,5% das pessoas assassinadas no país durante um ano (de 55.914 homicídios, 240 deles foram perpetrados contra índios). Também não há nenhum grupo organizado que tem como objetivo o extermínio de índios. Muitos assassinatos de líderes indígenas dizem respeito a conflitos por terras, que são crimes graves, mas que não denotam genocídio; por fim, não há genocídio e nem extermínio de jovens negros no Brasil (conforme já discutido em blog: https://m.blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2019/07/20/quem-mata-os-negros-no-brasil/), pois quem mata tem o mesmo perfil socioeconômico da vítima, descartando o uso do conceito de genocídio.

O que há no Brasil é uma politização equivocada do termo, do conceito de genocídio, que termina por banalizá-lo. No caso do Gilmar Mendes, desprestigia a Corte que ele representa e coloca em dúvida a sua imparcialidade para julgar casos nos quais membros dos outros poderes estejam envolvidos, com destaque ao presidente. No caso do MST, distancia ainda mais a organização do povo, tornando-a mais encolhida e minoritária. No caso do movimento negro, cria antipatia na sociedade e reforça discursos minoritários de grupos radicais neofascistas.

É importante destacar que o uso inadequado de um conceito generaliza a desinformação e precisa ser esclarecido para que o utilizemos só quando for cabível. Genocídio é um ato muito sério, um crime contra a humanidade e não pode ser usado a granel. Povos que realmente passaram por genocídios, a exemplo do povo judeu, sabem muito bem o sofrimento e a violência que é passar por isso. Não devemos apoiar o uso vulgar de um conceito tão drástico.

Por José Maria Nóbrega Jr. Mestre e doutor em Ciência Política pela UFPE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A democracia está em crise?

A maioria dos cientistas políticos vem afirmando que a democracia está em crise na América Latina. O mote para o argumento desses cientistas políticos é a escolha de líderes nada democráticos, resultado de crises econômicas e de escândalos de corrupção. A crise seria o resultado da falta de credibilidade das instituições eleitorais perante a opinião pública, sobretudo os partidos políticos e o parlamento. No caso específico do Brasil, a eleição de Bolsonaro seria o principal sinal desse descrédito institucional. Contudo, a falta de credibilidade das instituições de representação no Brasil nada mais é que a falta de consolidação do regime político democrático por aqui, que, diga-se de passagem, regime tem conceito mais amplo em relação a democracia como mecanismo de escolha de governantes.
Na verdade, a democracia brasileira nunca se consolidou. Desde a redemocratização, passando pela promulgação da constituição federal de 1988, não houve um processo de transição (do regime autoritário …

Corona vírus e democracia

“Desde a época em que a democracia urbana foi concebida e praticada pela primeira vez na Grécia antiga, a humanidade levou mais de dois mil anos para inventar e estabelecer uma democracia viável em larga escala”. (Giovanni Sartori)


Estamos vivenciando um período delicado no mundo. O Corona vírus (COVID19) veio e deixou a todos perplexos pela sua capacidade letal. As populações mundo afora passaram a viver debaixo de ameaças de contágio e o pavor proporcionado pela grande mídia, pavor este corroborado pelas imagens de caixões empilhados. Deixou os governos, nacionais e subnacionais, sem saber muito o que fazer. Passado o tempo, as medidas de confinamento e decretos governamentais impedindo o acesso da população a certos espaços, fechamento do comércio “não essencial”, sem nem sequer explicar o que isso significa, passou a ordem do dia. Pior ainda, a opinião fora da “caixa de certezas” dos “especialistas” e da grande mídia foi ameaçada.
O que é democracia? Por muito tempo, a democracia fo…

A associação entre as taxas de mortalidade por COVID19 e o nível percentual de isolamento social no Brasil

Por José Maria Pereira da Nóbrega Júnior, cientista político.




São muitos os estudos científicos espalhados pelo mundo a respeito da letalidade do novo corona vírus, o COVID19, vírus este que vem desesperando as pessoas desde os últimos meses do ano passado. São estudos com exigência de níveis altos de compreensão, com metodologias científicas muito diversas e complexas para o leitor médio. Neste pequeno artigo, meu objetivo é muito simples: testar o nível de associação estatística entre as taxas de mortalidade por COVID19 no Brasil com os percentuais de isolamento social nas unidades federativas.
Primeiro, fui atrás da definição de isolamento social (variável independente) e de taxa de mortalidade por COVID19 (variável dependente). Isolamento social “é um comportamento no qual o indivíduo deixa de participar - voluntariamente ou não - de atividades sociais em grupo como trabalho e entretenimento. É um fenômeno geralmente observado na população idosa, sem-teto ou grupos com pouca mobilid…